Notícias

300 crianças sensibilizam para a importância das espécies de cá

Comemorações do Dia da Floresta Autóctone são adiadas para os dias 27 e 28

Quarta, 22 de Novembro

Novembro é tradicionalmente a época ideal para plantar árvores de espécies autóctones, ou seja, originárias do nosso território e por isso mais adaptadas ao nosso clima e a biodiversidade. Mais de 300 crianças aceitaram o desafio da Câmara Municipal de Estarreja e vão plantar espécies nativas de forma a sensibilizar para a importância desta floresta em comemoração do Dia da Floresta Autóctone (23 de novembro).

311 alunos do ensino pré-escolar e do 1º ciclo das escolas Visconde de Salreu, Cabeças, Pinheiro, Congosta, Padre Donaciano e do Mato vão participar na plantação coletiva de 14 árvores, uma por cada turma. Freixo, tulipeiro, gingo, aveleira, teixo, abeto e cedro serão as novas espécies que vão erguer-se este ano no Arboreto do Antuã (Parque Municipal do Antuã) e no BioRia em Salreu. Dadas as previsões metorológicas, a iniciativa que iria acontecer nos dias 23 e 24, foi adiada para 27 e 28 de novembro, a partir das 9h30.

O Ouriço dá a conhecer as árvores autóctones

As comemorações do Dia da Floresta Autóctone incluem outras ações pedagógicas. Em todas as escolas do concelho, o dia será assinalado com a distribuição do cartão de cidadão da espécie Aveleira pelos alunos e professores. Em formato de marcador de livro, esta ferramenta do projeto «O Ouriço», que vai já na sua 9ª edição, pretende dar a conhecer, todos os anos, uma espécie autóctone.

A Aveleira é por isso a espécie em destaque num conjunto de atividades que incluem a degustação do fruto da Aveleira, a avelã. Decorrerão ainda ações ligadas à Rota pela Floresta, uma ação catalisadora de sinergias entre as escolas e a autarquia com o principal objetivo de agir pela proteção dos ecossistemas do município.

No BioRia, em Salreu, os alunos terão ainda a oportunidade de fazer um passeio em carro elétrico e perceber a importância de controlar o típico desenvolvimento rápido de espécies infestantes exóticas após a ocorrência de incêndios, que no passado mês de outubro atingiram o percurso de Salreu.


O ICNF – Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas explica que a Floresta Autóctone é constituída por árvores de espécies originárias do nosso território como os carvalhos, os sobreiros e as azinheiras (que também são carvalhos), os castanheiros, os medronheiros, os azereiros, os loureiros, os azevinhos... e que estão adaptadas ao nosso clima.

A floresta autóctone portuguesa é formada por árvores de crescimento tipicamente mais lento do que as espécies de árvores introduzidas, mas que adquiriram a capacidade de melhor resistir a longos períodos de seca com temperaturas elevadas e intercalados por chuvas relativamente intensas. São florestas também resilientes aos incêndios, que fustigam regularmente os territórios do sul da Europa.

300 crianças sensibilizam para a importância das espécies de cá